Marca Maxmeio

Perfil

Maria do Socorro Lourenço de Oliveira

Professora do 3º ano do Ensino Fundamental

Maria do Socorro Lourenço de Oliveira é natural de Campo Grande, cidade a 273 quilômetros de Natal. No Colégio das Neves, ensina no 3º ano do Ensino Fundamental I e é uma das professoras mais antigas da escola, atuando há 29 anos. Para ser educadora, espelhou-se em vários professores dos tempos de criança. Para ela, ser mestre é algo nobre e sublime.

1 - Como foi a sua infância?
Foi uma fase que muito me orgulha, pois vivi intensamente. Morando no interior, sempre gostei de criar as minhas próprias brincadeiras, ser professora era uma delas. Meus pais foram pessoas que, apesar das dificuldades financeiras, nunca abriram mão de educar os filhos priorizando valores como respeito ao próximo, solidariedade, justiça e, acima de tudo, ensinou que para todas as coisas existem limite. O estudo era prioridade, pois, só por meio dele é que íamos conseguir ser alguém na vida.

2 – O que mais te marcou nos tempos de escola?
Meus professores foram pessoas importantíssimas em minha vida, pois naquela época o professor era a extensão da nossa família, era alguém a quem meus pais tinham muita estima e consideração. Cresci assim, aprendendo a admirá-los e respeitá-los. Não esquecendo a importância dos demais, gostaria de destacar a professora Carminha, do Jardim de Infância. Era paciente e ensinava com muita sabedoria. Ensinava por amor a profissão. Foi uma dos muitos professores que me inspirou.

3 – Se sente realizada exercendo a profissão de professora?
Seria uma inverdade se, após 33 anos de profissão, dissesse que não estaria feliz sendo professora. Acho que se eu tivesse mais de uma profissão, uma delas seria professora.

4 – Existe alguma disciplina mais importante?
Não concebo nenhuma como mais ou menos importante, as vejo como algo que se complementam. Não acredito na construção do conhecimento como algo fragmentado, creio que os saberes se complementam.

5 – Na sua avaliação, qual o sinônimo de educadora?
Ser professora para mim é ter a oportunidade de estar perto do outro, de contribuir para a formação de alguém, é algo nobre e sublime.

6 – Muitos Sempre Alunos já passaram por seus ensinamentos. Tem notícias de como alguns deles estão?
Me sinto orgulhosa e honrada por ter convivido com tantos alunos e encontrá-los em seus locais de trabalho e poder constatar que lá atrás eles já apresentavam tendências para as áreas que atuam hoje. Não tem nada mais gratificante que encontrar pais e ouvir relatos de sucesso dos seus filhos, e me agradecer por ter contribuído na formação deles. A certeza do dever cumprido é algo gratificante.

7 – O que você faz nas horas vagas?
Nas horas vagas, procuro priorizar os momentos em família. Gosto muito de ir ao cinema, viajar, conversar com pessoas e fazer novas amizades. Aproveito o tempo para ser feliz, fazer o que gosto, com os meus dois filhos e com meu esposo.

8 – Estamos nos aproximando do aniversário de 85 anos do Neves. Como é fazer parte dessa história?
Aqui vivi e vivo muitas histórias, transformações. Já fiz muitas amizades, conheci pessoas maravilhosas, que foram e são até hoje importantes em minha vida. O Neves representa para mim o começo da vida profissional, da formação da minha família. Ao Neves, devo toda a gratidão, por ter contribuído com a formação acadêmica e religiosa dos meus filhos, por acreditar em meu potencial profissional.

9 – Qual a mensagem que você deixa para os alunos?
Estudem, sejam pessoas de bem e não se esqueçam que a felicidade está dentro de vocês. Aprendam a dividir suas alegrias com os outros, sejam prudentes e humildes. O restante vem com o tempo.