Homenagem da Sempre Aluna Selma Santiago no aniversário de 86 anos do Colégio



Homenagem da Sempre Aluna Selma Santiago no aniversário de 86 anos do Colégio

 

E ASSIM SE PASSARAM 50 ANOS

Somos concluintes de 1968. Entramos no Colégio Nossa Senhora das Neves, sendo umas ainda crianças pequenas, algumas maiores e outras na adolescência.

 

Aqui aprendemos não só as disciplinas que compunham a base curricular, ou seja, o arcabouço escolar tradicional (Português, Matemática, História, Geografia, Física, Química, Biologia etc.), mas fomos educadas nas questões de civilidade, principalmente nos valores que nos alicerçaram para nossa condução na vida, em nossa convivência social, tornando-nos leais, afetivas e solidárias, na plenitude de nossa condição humana.

 

Claro que tivemos o suporte das nossas famílias, em primeiro lugar, delas recebendo orientações, lições de respeito, o carinho e o apoio tão necessários!

 

Aqui neste Colégio passamos momentos muito felizes com todas vocês. Nossos sonhos, aspirações e segredos de adolescentes eram compartilhados e confidenciados por uma ou outra e nossas lamúrias eram acalentadas também, ensejando-nos a sensação de amizade sincera e confiança.

 

Porém, da mesma forma que estamos felizes em estarmos reunindo um grupo enorme de colegas que estudaram desde o curso Primário até o Cientifico, lembramo-nos daquelas que já se foram e nos deixaram saudades: Avani, Isabel Alzenir, Graça Pereira, Margarida, Nadja e Ranilda, colegas de sonhos e fazeres na construção de nossas vidas.

 

Desta turma concluinte do Cientifico de 1968 “das Neves”, tem aproximadamente quinze (15) ex-alunas, inclusive eu, que entraram no Colégio e dele foram alunas desde o Jardim de Infância, fazendo todo o Primário e o Ginasial.

 

Fomos, assim, componentes de uma turma arrojada que amávamos e ainda amamos esta Instituição, que nos serviu e servirá sempre de referência viva nos nossos corações! Considerávamos nossa segunda casa. Vivíamos aqui.

 

Participávamos ativamente das festas juninas e natalinas, sorteios e/ou qualquer evento social e cultural. De tal maneira que, com a ajuda desta Turma/1968, o Colégio N. S. das Neves pode construir sua quadra de esportes e a casa em Ponta Negra, ampliando a sua dimensão e atuação institucional.

 

Relembramos com muito carinho as nossas queridas mestras, desde o Jardim de Infância até a conclusão do Científico: Ir. Priscila, Ir. Josefa, D. Lourdes Penha, Ir. Silvia, Ir. Catarina, Ir. Maria,  Ir. Leonarda, Ir. Marcelina, Ir. Clemens e Ir. Hermenegilda.

 

Fazemos respeitosa menção às outras irmãs com as quais convivemos neste período, nos educando, transferindo conhecimentos em línguas estrangeiras, como a Ir. Aquinata e Ir. Edwirges.

 

Lembramos também, com muito carinho, de Ir. Luizinha, Ir. Gonzaga, Ir. Adelina; e da grande pintora, Ir. Miriam, além das musicistas Ir. Eleonora e Ir. Otávia, pianistas. E de Ir. Helenita - que nos preparava para a 1ª Eucaristia.

 

Delas, como das demais irmãs-professoras citadas, trazemos em nossas lembranças as melhores recordações, marcas indeléveis de carinho, afeição e profundo respeito por terem contribuído, decisivamente, para nossa formação, animando e mediando nosso processo de educação e crescimento, compartilhando conosco e ajudando-nos, de todas elas recebendo muito carinho e atenção, tão necessários, que nos serviram e servirão sempre como luzes apontando os caminhos do bem e do amor ao próximo.

 

Era capelão do Colégio, nessa época, o então Padre Nivaldo Monte, sucedido pelo então Padre Heitor Sales, ambos elevados à condição de Bispos.

 

Afora as freiras-educadoras, ressaltamos alguns professores e professoras que tiveram uma grande participação na nossa formação básica e no processo de construção de nossa cidadania plena, fazendo-nos chegar à Universidade, citando: Josué, Selma, Laércio, Aldeíza, Edmar, Canuto, Naide e Denise de Felipes, dentre outros.

 

Lembramos, ainda, que, no decorrer da nossa vivência estudantil no Colégio Nossa Senhora das Neves, tivemos a oportunidade de ter como Madre Superiora do colégio a Madre Fidélis, tendo a mesma sido designada para ocupar o cargo de Madre Geral da “Congregação das Filhas do Amor Divino”, passando a residir no exterior.

 

Assim, outras Madres Superiores da nossa época foram: Ir. Auxiliadora (anterior à Madre Fidélis) e, posteriormente, a Ir. Benigna. Atualmente, temos o prazer e a honra de cumprimentar a Ir. Aparecida, Madre Superiora do Colégio.

 

Caros colegas e amigas:

 

E ASSIM O TEMPO PASSOU...

Este reencontro possibilitou a oportunidade de voltarmos no tempo, sendo um momento de grandes emoções, para vivenciarmos as experiências vividas por cada uma de nós, hoje profissionais das mais variadas áreas de atuação, constatando-se que a grande maioria encontra-se aposentada, curtindo a vida conforme as suas condições objetivas, cada qual no seu canto e da melhor maneira que lhes convier.

 

Esta ligeira digressão, ora apresentada como traço e marco da nossa história de vida, traz-nos a constatação inexorável de que os anos passaram; porém, as lembranças ficaram e se fixam, cada vez mais, a despeito das distâncias e do tempo, eternizando-se em nossos corações e mentes, por vezes ressurgindo alegremente, em forma de poesia ou de canção. E até de oração.

 

Por tudo isto, agora emocionada e embalada por estes tantos olhares e sorrisos, que fizeram e eternamente fazem parte de nossa vida, conclamo a todas para dizermos em uma só voz:

“Damos graças e vivas à turma de 1968 do Colégio das Neves de todas nós!!!

Obrigada

Selma Santiago Nunes

Sempre Aluna do Colégio das Neves – 1968